O que é o risco de crédito?

Dando continuidade ao desenvolvimento da linha de raciocínio iniciada no texto relacionado à gestão do risco de crédito, vamos abordar agora um tema mais específico. O que é o Risco de Crédito?

Existem várias definições a respeito desse tema, desde pensamentos acadêmicos, até aqueles que qualquer pessoa que precisa ou empresta dinheiro pode expressar. Na minha opinião, a melhor forma de pensar a respeito de qualquer coisa é iniciar o desenvolvimento da linha de raciocínio a partir dos conceitos mais simples, ou os que  permitam conectar o tema com o nosso dia. Por isso vou colocar algumas perspectivas com as quais você pode estar se deparando no seu dia a dia.

Quem, trabalhando na área de crédito nunca se deparou com um problema de inadimplência, ou de perda efetiva de recursos em função do cliente não ter honrado com suas obrigações, não é mesmo? O não cumprimento de obrigações de crédito por parte do cliente pode acontecer de forma involuntária, ou seja, mesmo que o devedor desejasse realizar o pagamento, não conseguiria fazê-lo em função de fatores que comprometeram a sua capacidade de liquidez.

Neste caso, o risco de inadimplência pode estar associado à diversos fatores, como a falha na identificação da capacidade de pagamento do cliente, ocasionada por coleta de informações incompletas ou incorretas a respeito do cliente. Normalmente o profissional de crédito trabalha as avaliações de risco com base em informações coletadas junto à diversas fontes, oriundas de credit bureau, do próprio cliente, da área comercial, de pesquisas na Internet, de publicações especializadas, dentre outras. Apesar da grande variedade de fontes de informações, a falta de estratégia definida para a seleção das informações a serem consideradas no processo de análise pode levar à coleta de informações incompletas, ou inadequadas em termos da sua qualidade ou veracidade. 

Para definir quais informações devem ser coletadas para o processo de análise do cliente devemos considerar alguns aspectos, como o setor de atividade em que o cliente atua, para entender o potencial de negócios da empresa no mercado, e para identificar como o mercado pode estar influenciando a performance da empresa. Além disso, a identificação do seu comportamento de negócios no mercado e internamente; e o desempenho econômico-financeiro do cliente ao longo dos últimos anos, o que pode ser feito por meio da análise de informações financeiras, ou seja, dos demonstrativos contábeis.
Foto de demonstrativos contábeis

Adicionalmente, a avaliação inadequada das informações e, consequentemente, da capacidade de pagamento do cliente. Por melhor que seja a quantidade e a qualidade das informações disponíveis para análise, é necessário que a organização tenha profissionais e sistemas altamente preparados para o processamento, análise das informações para a adequada decisão de crédito.  

A preocupação e o cuidado com o desenvolvimento técnico de todo o aparato envolvido nas decisões de crédito, incluindo o desenvolvimento técnico de pessoas, devem ser alvo de preocupação constante por parte das empresas, pois por melhor que possa ser a estrutura de coleta de informações, se o racional de identificação de risco e de decisão de crédito não estiverem adequadamente desenvolvidos, as chances de acontecerem surpresas desagradáveis ocasionadas por inadimplência aumentam significativamente.

Veja que acima comentei apenas a respeito da possibilidade de insucessos na decisão de crédito relacionadas a situações onde o cliente pode vir a se tornar inadimplente em função de fatores que o levaram a apresentar problema involuntário de liquidez. Eu até então não citei a possibilidade de ocorrência de inadimplência em função de fraudes praticadas por pseudoclientes. 

Mas essa possibilidade é real, e não é rara de acontecer. Os golpistas usam técnicas diferentes para burlar o controle de avaliação de risco de crédito, por isso, é importante sempre estar atento a identificação da idoneidade, ao seu tempo de atividade no mercado, à verificação se os produtos negociados estão em linha com a atividade econômica do pleiteante ao crédito, a evolução do número de consultas ao cliente nas empresas de credit bureau, a estrutura de capitais da empresa, quando os demonstrativos contábeis forem disponibilizados, e até consulta ao Google Maps, para visualizar se as instalações da empresa realmente existem.

O Risco de Crédito pode ter outros significados, além dos descritos. Como você definiria o que é o risco de crédito?

A CredPartner pode te ajudar na busca de alternativas para controlar o risco de crédito.
Acho que aqui pode ser uma foto mais up com executivos felizes simulando a Credpartner auxiliando sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *