O Gerenciamento Estratégico do Risco de Crédito

Quando se fala a respeito de gestão de risco de crédito, para muitas pessoas a primeira coisa que vem à cabeça é o processo de concessão, monitoramento e recuperação de crédito. Na verdade, a gestão do risco de crédito envolve muitos outros fatores, como a formação de pessoas, o desenvolvimento de sistemas de controle e automação de avaliações, a definição de políticas de seleção e controle do risco, desenvolvimento de estratégia de comunicação, planejamento de controle da demanda de análises, e muitos outros detalhes.

O objetivo é administrar essa atividade de forma mais eficiente e alinhada ao processo de realização de negócios seguros quanto ao risco de crédito, e consequentemente contribuir para a geração de valor para os sócios/acionistas.

Para contribuir com o mercado no desenvolvimento das atividades de gestão de risco de crédito, em setembro de 2012 criamos a CredPartner. Nossa consultoria é a materialização de um sonho que se iniciou há alguns anos, antes da fundação da empresa, de dividir a experiência acumulada durante mais de 30 anos em empresas nacionais e globais, lideres de mercado com pessoas e empresas que trabalham o complexo desafio de gerenciar o risco das vendas realizadas a prazo. 

Mas o que significa administrar o risco de crédito de forma estratégica? 

A resposta para esta questão é simples. Basta lembrarmos que uma empresa é uma organização que tem por objetivos principais atender bem as necessidades dos clientes, e gerar valor para os sócios/acionistas, e para isso procura alocar recursos de forma eficiente para que os objetivos sejam alcançados. Os produtos ou serviços que as empresas produzem e comercializam se originam de investimentos realizados por meio da aquisição de matérias primas, pagamentos de impostos e salários, de despesas administrativas, operacionais e de vendas, dentre outras, portanto, para viabilizar o retorno desses investimentos, a gestão adequada do fluxo de caixa e da capacidade de pagamento, e a geração de lucro, é necessário que os clientes realizem os pagamentos pontualmente.

Dessa forma é preciso ter em mente que o gerenciamento do risco de crédito deve ser administrado em linha com os objetivos da empresa, em termos comerciais e financeiros, e precisa ter seus recursos administrados de forma também eficiente, planejada. Nesse sentido, desenvolvemos técnicas de trabalho que podem ajudar as empresas na estruturação de organizações e atividades com foco em:

Gestão de pessoas

Treinamento em técnicas de avaliação e gerenciamento do risco de crédito;
Desenvolvimento do espírito de liderança nos processos de negociação de aprovação de crédito;
Estratégia de comunicação com clientes internos e externos para a adequada coleta de informações e decisão de crédito.

Gestão do risco com foco no controle operacional

Desenvolvimento da cultura interna de gestão do risco de crédito;
Organização do controle da demanda de análises;
Melhoria e padronização dos critérios de tomadas de decisão de crédito;
Adequação do controle da formalização das operações

Gestão do risco com foco na geração de resultados

Ganho de produtividade;
Melhor controle da inadimplência;
Proteção do risco de crédito;

O conceito de gerenciamento estratégico do risco de crédito pode parecer óbvio. E talvez seja. Mas durante todos esses anos de experiência, conversando com profissionais do mercado de diferentes segmentos, me deparei com empresas que não se preocupavam com o investimento na formação de uma área de crédito eficiente em termos de tomadas de decisões equilibradas. Conheci profissionais de gestão de risco de crédito que se preocupavam mais com os eventuais impactos negativos de problemas de crédito sobre suas carreiras, talvez também por insegurança causada pela falta de recursos humanos, técnicos e financeiros.

Esses fatores sempre influenciaram de forma negativa, em maior ou menor grau de severidade, a realização de negócios com os clientes e a geração de resultados, pois apesar do exagerado conservadorismo na tomada de decisão em algumas empresas, isso não levou a adequado controle do risco de crédito e de prejuízos causados por clientes que se tornaram inadimplentes.

Esses fatores sempre me incomodaram, pois por muitas vezes, além do problema da inadimplência, também vi o relacionamento com o cliente ser afetado de forma negativa, e se perderam oportunidades de negócios que tinham potencial para gerar valor para os sócios/acionistas.

Espero que por meio da troca de experiências neste espaço possamos ampliar as discussões a respeito das dificuldades no gerenciamento do risco de crédito, e ao mesmo tempo desenvolver e aplicar conceitos que ajudem empresas e pessoas a tomar decisões de crédito mais equilibradas, com equipes eficientes em termos de operações e processos, com o objetivo de atender bem aos clientes, e desta forma tornar a área de crédito um agente ativo no processo de geração de valor para os sócios/acionistas, por meio de decisões mais adequadas e seguras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *